Ampliação Centro de Criação Artística Hangar / Yaiza Terré + Arantxa Manrique

O projeto é parte do programa “Fàbriques per la Creació”, promovido pela prefeitura de Barcelona para reativar antigos espaços industriais da cidade em desuso e transformá-los em centros de produção artística.

centro_de_criacao_artistica_hangar_yaiza_terre_arantxa_manrique_1 (2)

Hangar é desde 1997 um centro de criação para artistas visuais situado numa antiga indústria do recinto fabril de Can Ricart.

Can Ricart, datado de 1854, foi um dos primeiros recintos fabris para o estampado mecânico de tecidos de algodão na Catalunha. Está situado próximo ao Parque Central e orientado de acordo com o eixo Pere IV, junto com Oliva Artés, Ca l’Alier, a Escocesa, e Ca l’Illa.

O complexo está formado por várias edificações de estilo neoclássico e uma série de espaços verdes interconectados. O grupo é de grande interesse pela unidade de estilos das partes que o compõem, ou seja, na analogia de suas formas, ritmos e disposições espaciais.

centro_de_criacao_artistica_hangar_yaiza_terre_arantxa_manrique_1 (6)

O objetivo desta primeira fase é a expansão do centro para os dois edifícios abandonados localizados ao lado do Hangar.

centro_de_criacao_artistica_hangar_yaiza_terre_arantxa_manrique_1 (1)

O ponto de partida desta intervenção é o respeito. O caráter e qualidades físicas dos edifícios existentes são reinterpretados, mas não modificados. As cicatrizes sofridas ao longo do tempo a partir de intervenções anteriores são mantidas e os resultantes da nova renovação são adicionados a elas.

centro_de_criacao_artistica_hangar_yaiza_terre_arantxa_manrique_1 (9)

O objetivo é fazer com que os edifícios sejam utilizáveis com o mínimo de intervenção e de custo econômico possível. Para fazer isso, um novo elemento é estrategicamente introduzido, “o módulo”, que é, pela sua natureza, comum, porém personalizável, de acordo com o espaço que ocupa. O contraponto do espaço existente, onde não houve intervenções, e os diferentes elementos introduzidos criam um diálogo constante entre o velho e o novo.

centro_de_criacao_artistica_hangar_yaiza_terre_arantxa_manrique_1 (3)

Um sistema modular metálico é projetado e pensado em camadas. O esqueleto é feito de uma estrutura do tipo rede de vigas e pilares, revestido em seu interior com painéis de gesso para isolamento térmico, ou armações de metal com vidro e para o exterior por uma subestrutura de perfis metálicos que suportam placas perfuradas e que conformam os corrimãos.

centro_de_criacao_artistica_hangar_yaiza_terre_arantxa_manrique_1 (1)

centro_de_criacao_artistica_hangar_yaiza_terre_arantxa_manrique_1 (11)

Cada módulo complementa o espaço aberto, no qual estão inseridos, conferindo-lhe o necessário isolamento acústico ou visual. O teto do módulo é transitável a fim de tirar proveito da altura dos edifícios, permitindo uma relação visual com o espaço aberto e adicionando uma superfície a uma altura intermédia.

centro_de_criacao_artistica_hangar_yaiza_terre_arantxa_manrique_1 (4)

centro_de_criacao_artistica_hangar_yaiza_terre_arantxa_manrique_1 (12)

Projeto: Yaiza Terré, 2011

Localização: Can Ricart, Barcelona, Espanha

Fotografia: Adrià Goula

Texto: Yaiza TerréTradução, Adaptaçãoarchtendencias

Artigo Anterior © Gabriel Castro Casa Galeria / MACh Arquitetos
Próximo Artigo © Roland Halbe Espaço Andaluz de Arte Contemporânea / Nieto Sobejano Arquitectos